Ir para conteúdo

Um bar e um graffiti

Fotos:
|
Texto: RIOetc

_DSC4028 cópia _DSC4039 cópia _DSC4049 cópia _DSC4050 cópia _DSC4057 cópia _DSC4060 cópia

Fotos: Tiago Petrik

[Bruna Velon]

Era uma sexta-feira qualquer no Bar do Gomes, instituição etílica de Santa Teresa, onde sua esquina concentra aglomerados de gargantas ávidas por uma cerveja e um gole de fim de semana. Tudo igual não fora um novo mural compondo o cenário do outro lado da rua, uma extensão do bar por direito adquirido de quem beberica por aquelas calçadas entortadas pelas curvas do bonde. E de quem era o novo graffiti? Meu olhar procurava uma referência naqueles traços nunca vistos, por entre os pássaros, flores, plantas e o céu estampados no muro e – Eureka! – uma assinatura de Rafaela Monteiro. Bastou uma busca na hashtag #RafaMon, sua alcunha, para um rolé despretensioso em Santa virar uma coluna e cruzar minha ida ao Gomes com a dela.

“Eu sempre venho tomar uma cerveja aqui. Um dia estava com uma caneta Posca branca na mão e comecei a desenhar sobre o muro verde. Quando voltei depois, me falaram que a dona não tinha gostado”, conta. “Ela não gostou porque eu não tinha terminado”. Então, noutro dia, ela partiu novamente para o bar com Thiago Mazza, com quem assina a co-autoria de um dos murais que entrou para o hall dos mais bonitos da grafitada Santa Teresa. “Terminamos em três dias, entre uma cerveja e outra. A gente quis demorar”.

Pintar e tomar uma gelada são esportes apreciados por Rafa que, sabiamente, gosta de grafitar perto dos seus bares (sempre suspeitei que sobriedade não rima com inspiração e que, entre um copo e outro, a ousadia ganha um pouquinho de coragem). Um mundo fantástico de sereias, unicórnios, asas, florais, entre outros personagens, sempre multicoloridos.

“Comigo não tem essa de nunca fiz. Eu trabalhava com moda e fazia ilustração quando decidi grafitar. Comentei com um amigo que queria fazer um workshop. Ele me disse que os moleques da rua não fazem workshops. E lá fui eu rascunhar num terreno baldio”, lembra. Já se passou mais de um ano desde que ela começou sua trajetória harmonizando boêmia e arte, tempo que nos remete a um outro encontro do RIOetc com essa moça (leia aqui), quando ela, decidida, declarou: “Minha próxima aventura é grafitar”.

Que venham as próximas, tim-tim!

Agenda_Galeria Urbana

Urbanamente – Quem for pegar a ponta-aérea do dia 28 de janeiro a 5 de março poderá conferir a exposição dos fotógrafos Henrique Madeira e Diego Aliados, na galeria A7MA, na Vila Madalena (veja nossos roteiros de street art em São Paulo aqui). Os cliques revelam a rotina dos artistas e seus processos criativos nas grandes cidades.

Rua Harmonia, 95B – Vila Madalena, SP. Seg-Sáb: 11h às 20h. Grátis.  

 

I Bazar de Gravuras Homegrown – Quinta-feira, 28, mais de 50 gravuras assinadas por 30 artistas fazem parte da primeira edição do evento. A galeria vai disponibilizar as últimas unidades das tiragens de maior sucesso produzidas em 2015, incluindo algumas criações mais recentes.

Rua Maria Quitéria, 68 – Ipanema. Quinta-feira: 18h às 22h. Grátis. 

Comentários