Ir para conteúdo

No ArtRua 2013: Minhau

Fotos:
|
Texto: RIOetc

Fotos: Tiago Petrik

[Tiago Petrik]

O apelido Minhau vem dos muros paulistanos, que a moça natural de Piracicaba preenche com gatos desde 2006. Até então, fazia de seu próprio corpo a tela e a imagem. A tela porque aos 16 anos começou a oferecer espaço para a arte de amigos tatuadores; e a imagem, porque emprestou sua beleza tão pouco convencional para o ofício de modelar. “Eu tinha 16 anos e dez tatuagens no corpo, acho que fiz sucesso pelo lance mais exótico”, explica. Viajou o mundo, chegou a passar uma temporada no Japão. Não que gostasse, mas precisava se sustentar.

Hoje, vive da arte urbana. “Já gostava de arte, mas São Paulo me despertou ainda mais esse lado. Quando modelava, passei a pintar telinhas, como válvula de escape”, lembra. Também trabalhou algumas vezes como hostess de festas. Uma delas tinha o grafiteiro Chivitz como uma das atrações. O artista fazia um live painting enquanto a música rolava. Ao entrar na casa noturna, Chivitz lembrou-se da menina que tinha sido capa de uma revista especializada em tattoos. Trocaram uma ideia. Uma semana depois, começaram a namorar.

“Desenhava várias coisas, mas gato é algo que me acompanha desde a infância. Antes saíam uns rabugentos, meio bravos, mas decidi focar em gatos felizes. Quero tocar as pessoas de um jeito bom. Acho que a vida é dura, e muito. Principalmente em São Paulo”. E assim nasceu a marca registrada e a assinatura do trabalho da artista, muito incentivada pelo amado. “A gente curte as mesmas coisas. Não dá pra dizer que a gente estuda para interagir, mas acontece naturalmente”, diz Chivitz. É muito comum que um interfira no painel do outro, ou mesmo que realizem o processo inteiro juntos. “A energia do início era legal, porque era num clima namorandinho. Foi nascendo um amor e uma arte unida”, diz Minhau, hoje mãe de três felinos.

No ArtRua 2013, que acontece de 5 a 8 de setembro, na Vila Olímpica da Gamboa, cada um terá seu próprio mural – mas um ao lado do outro. Porque o que o amor uniu a arte não separa.

Comentários