Ir para conteúdo

Metamorfose de Toz: uma visita guiada

Fotos:
|
Texto: RIOetc

Fotos: Tiago Petrik

[Bruna Velon]

Quando chegamos ao Centro de Artes Hélio Oiticica, na Praça Tiradentes, a moça da recepção avisou: “Seu Toz já taí”. O primeiro grafiteiro a ocupar uma sala no espaço cultural achou graça: “Já me chamaram até de senhor grafiteiro”. A alcunha faz sentido. Tomaz Viana, um dos maiores expoentes da arte urbana carioca, inaugura amanhã, às 14h, a exposição “Metamorfose”. O trabalho inédito marca uma mudança suave, porém clara – como a transição da madrugada para o dia -, em sua trajetória.

“Não tô numa de abandonar meus personagens, mas de pintar outras coisas também, não ficar preso a eles. Foi difícil porque os personagens vão ser sempre minha marca, mas eu não quero ser escravo disso. Toda pintura, toda fase tem seu tempo, então eu tô caminhando pra próxima. Eu queria mostrar isso na exposição, que eu não tô parado. Estou estudando mais, buscando outras referências, não só o graffiti”, conta.

Neste post, apresentamos a disposição das obras, numa visita guiada pelo autor – pra seguir com ele, é só dar play nas setas. Os olhos do Toz brilhavam no quarto escuro criado inteiramente por ele, nos mínimos detalhes, para ser a entrada ao universo de cores e texturas da exposição. E não era por causa da luz negra. Adentrar cada espaço parecia um sonho para o artista, tanto como realização pessoal como enredo da obra. Ele buscou nos mistérios de uma floresta escura e no vazio de noites longas as inspirações para criar o mundo de Insônia: misticismo, orixás, mandingas, vudus e planetas rondam o personagem. Como uma luz no fim do túnel, literalmente, surge o universo do Vendedor de Alegria, que vive com a cabeça no mundo da lua, ou melhor, das bolas, totalmente alegre, lúdico e romântico, como define o criador.

“São personagens do dia e da noite. O espírito, a alma deles, as cores representam mudanças que existem dentro de cada um de nós, na maneira como a gente percebe a passagem do tempo. O corredor escuro, essa transição entre o mundo do Insônia e do Vendedor de Alegrias, eu chamei de Sono Profundo, que simboliza a ansiedade, o desconforto”, explica Toz.

Em seu trabalho inédito, o grafiteiro perambulou pela Saara, visitou fábricas e lojas de tecido para criar ambientes, instalações, alegorias e telas, que são uma profusão de cores. Ele atacou de cenógrafo, artesão, costureiro e até diretor de arte nas fotografias do amigo Fernando Young, que fez cliques com Bruno Gagliasso, Giovanna Ewbank, Beth Lago, Marcelo D2 e sua filha Maria Joana especialmente para a exposição. Foi Toz quem escolheu os cenários, as poses e mergulhou os artistas no mundo do Insônia.

“O graffiti é naturalmente uma intervenção, uma apropriação, uma metamorfose. Sempre há novas possibilidades. Pode estar num fundo de tela do celular, na rua, num sofá, numa tela, é infinito”, explica.

Pra quem for conferir a Metamorfose de Toz, o artista fez até uma instalação especial pros selfies, com espelho e tudo: “Já fiz na maldade, todo mundo vai poder ser um Insônia. Imagina as crianças aqui!?”, diverte-se o senhor grafiteiro.

Serviço:

Centro de Artes Hélio Oiticica (Rua Luís de Camões, 68, Centro)
Abertura: 15/3, 14h às 18h.
Seg-sex, 11h às 18h; sábados e feriados, 11h às 17h).
Até 11 de maio.

Comentários