Ir para conteúdo

Memento Mori, de Mayer, no Espaço João do Rio

Fotos: Tiago Petrik
|
Texto: RIOetc

Dedicado a manifestações artísticas de matizes diversas, o Espaço João do Rio recebe, sob curadoria de Rodrigo Westin, a exposição Memento Mori, do artista visual Mayer.

Carioca de 33 anos, Mayer iniciou sua carreira nas artes visuais profissionalmente no ano de 2014, e sua formação artística se deu na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV), no Espaço Saracura, Casa França-Brasil e Paço Imperial.

Das emanações do trabalho do artista, pode-se verificar a relação entre vida e morte, corpo e memória. Sua atual pesquisa teve como base os atlas médicos que possui em acervo. “Achei algumas imagens fascinantes de ossos que constituem o crânio. A fragmentação própria dos estudos anatômicos possui certa abstração, uma espécie de Rorschach. Comecei a investigar isso”, conta Mayer.

Como técnica, transpõe para madeira, material de caráter afetivo para o artista, seus procedimentos de desenho. O trabalho se dá pelo processo de remoção da tinta, uma espécie de esgrafito, onde a camada inferior (madeira) é revelada pela ação de uma lâmina de estilete. Para Mayer, existe uma metáfora em relação ao processo e as superfícies: A revelação da imagem é também uma exposição óssea, onde a tinta é feita pele, e o estilete é feito bisturi. E com a meticulosidade de quem examina a anatomia póstuma, o artista preenche corpos esquemáticos feito uma marchetaria em papel. Pedaço a pedaço, corte a corte, um a um, compondo, em colagem, aquilo que se decompõe.

Suas obras evidenciam a finitude das coisas e, por conseguinte, destacam a necessidade de uma reprogramação do comportamento humano. “Somos corpo, carne, matéria, mas a impermanência não é um problema, é parte do ciclo. Nossa percepção, antropocêntrica, nos desvincula da natureza e nos faz esquecer da fragilidade da vida e do que é de fato, relevante”, e através de uma instalação gráfica, o artista indaga: Qual será a cor do fim?

A exposição inaugura dia 15 de março e permanece aberta a visitação até o dia 28 de abril.

Comentários