Ir para conteúdo

Ju, a zen-competidora

Fotos:
|
Texto: RIOetc

_DSC9219 cópia_DSC9193 cópia _DSC9200 cópia _DSC9206 cópia _DSC9215 cópia

Fotos: Tiago Petrik

[Tiago Petrik]

Juliana Dominguez é designer de formação, e já teve uma rotina agitada trabalhando em agências de publicidade. Aquela coisa medonha de corre-corre, prazos estrangulados e clientes no pé. Há sete anos, resolveu mudar de vida e começou a praticar yoga. Tanto, e com tanta determinação, que há dois anos tornou-se instrutora. Não que ela fosse a personalização do estresse, ao contrário disso. Mas hoje a Ju flutua. Ela é zen. “O lazer se confunde com trabalho, não consigo separar uma coisa da outra. É um ponto bacana em que cheguei, espero que essa fase dure bastante”, diz.

Como ela define, sua vibe é “praia-mergulho-bicicleta-banho-dormir cedo”. Incorporou à rotina aulas de acrobacia. “Era um hobby que acaba virando trabalho também”, explica. Ela dá aulas no Nirvana, no estúdio Blyss e, sempre que pode, ao ar livre. Pra inveja de muita gente, ela faz da rua seu escritório – mesmo. “Quando o estúdio fecha, por ser feriado ou algum outro problema, a gente vai pra praia. Ou até quando dá vontade, só porque o dia tá bonito mesmo”, conta ela, que ainda cuida da marca YogaJoy.

Antes de descobrir a yoga, Ju praticou diversas atividades físicas, a partir dos 6 anos. Sempre levou tudo MUITO a sério. Dançou balé clássico e contemporâneo a vida toda. Depois partiu para o vôlei de praia, onde chegou a competir. Entrou pro circo. Escalou. “Até isso, que era hobby, tinha uma onda de querer subir mais alto. Essa é a história da minha vida: quando eu começo alguma coisa, logo depois viro profissional, tô competindo… Isso só acalmou com a yoga. Agora não é mais pra competir, é pra ser feliz. Ninguém vai ganhar medalha. Vamos respirar”, vibra.

Dessa época de pegar pesado, guarda algumas lembranças não tão prazerosas: “Tive uma lesão séria de quadril, tenho duas hérnias de cervical por causa das quedas de circo”. Ju acredita que levou o lado competitivo “pra conseguir organizar a vida. Canalizei essa energia pro trabalho”.

Nascida no Engenho de Dentro, passou a maior parte da vida por lá, até mudar-se para Botafogo. Talvez por isso não tenha uma relação tão íntima com a água salgada, embora sempre que possa dê um mergulho, entre um ássana e outro.  “O mar eu chamo de senhor, tenho uma relação respeitosa, peço com licença”, diz. Mas a próxima geração – aos 33 anos, ela é mãe de Eric, um “peixinho” de 7 anos – em breve deve começar a surfar, segundo a mãe. Te cuida, Medina! Te cuida, Mineirinho! Essa família leva essa parada de competição muito a sério!

Nome: Juliana Dominguez.

Mas me chamam só de… Ju Dominguez.

Idade: 33.

Faz o quê? Instrutora de yoga.

Carioca da… gemíssima.

Lugar da cidade de que se sente dona: praia.

Cidade do mundo em que também se sente em casa: Só consigo pensar no Rio.

Música que mais combina com o Rio: Ainda tô com as músicas de carnaval na cabeça.

Música que mais toca no seu iPod: “A lo cubano”, do Orishas.

Adoro: Sol.

Devoro: Açaí, dois por dia.

Me encharco de: Água do mar.

Li e recomendo: “O outro pé da sereia”, de Mia Couto.

Vi e recomendo: “Making a Murderer”.

Ponto da praia: Posto 9,5.

Esconderijo (antes dessa entrevista) secreto: A pracinha do final do Leblon.

Time: Botafogo.

Escola de samba: Portela.

Bloco: Cacique de Ramos.

Signo: Virgem.

Religião: Todas.

Instrumento musical: Toco guitarra.

Prato preferido: Uma pizza a gente não deixa passar.

Melhor vista do Rio: Do Dois Irmãos.

Meio de transporte: Bicicleta.

Sonho de consumo: Viajar.

Promessa pro ano novo: Ser ainda mais sociável do que já sou.

Meta para a vida: A mesma.

Faço o estilo… Praia-mergulho-bicicleta-banho-dormir cedo.

Pro Rio ficar ainda melhor só falta… Organizar.

Esporte preferido: Yoga e bike pelo trânsito, além de acrobacia.

Terapia: Meus esportes preferidos.

Quem tem a cara do Rio? Acho que todos os cariocas.

Cor: Azul claro.

Flor: Angélicas e astromélias.

Maior dor: A de lesão de quadril e cervical eu não desejo pra ninguém.

Época em que gostaria de ter vivido: Essa.

Programa de TV: Quase não vejo TV.

Site/blog em que mais navega: O meu, Yogajoy.

Amar é… Tudo!

Dia ou noite? Dia.

Liso ou estampado? Estampado.

Colorido ou P&B? Colorido.

Conforto ou elegância? Conforto.

Quem gostaria de ser por 24 horas? Eu vezes dois. Tô bem feliz na minha pele.

Pra votar em Ju Dominguez no V Concurso Anual do Retrato Ideal e Otimista da Carioquice Autêntica (Carioca 2016), separa aquelas roupas que você não usa mais, mas continuam em bom estado; cada peça arrecadada vale 5 pontos! Alimentos não-perecíveis também entram na conta. Tudo será entregue à Associação Lutando para Viver. Sua doação pode ser feita na Casa Ipanema (Rua Garcia d’Ávila, 77, Ipanema) nos dias 23 ou 25/2, entre 17h e 20h. Nessas datas, teremos encontros com os candidatos, em torno de seus esportes. O encontro com a Ju será no dia 23. Quem comparecer e postar uma foto no Instagram com a hashtag #jucarioca2016 garante 10 pontos pra ela. Nos vemos lá!

 

 

Comentários