Ir para conteúdo

Fazendo (e consumindo) Moda de forma criável

Fotos: Bel Corção e Felipe Haua
|
Texto: RIOetc
Com a chegada do horário de verão, entramos na temporada de calor 2019! Enquanto isso, já é tempo de se preparar também para 2020. No último dia 19, o Istituto Europeo di Design (IED-Rio) abrigou a segunda edição do Encontro CRIÁVEL, conduzido pela consultora de moda Renata Abranchs (para nós, a Re). Além dos reports sobre tendências, o evento trata de sustentabilidade, com o mote “mais que novas modas, novos modos”. Duzentas pessoas de 99 empresas de sete estados estiveram presentes, acreditando – como a gente – que é possível (e necessário) transformar a forma de fazer e consumir Moda. O CRIÁVEL teve patrocínio da Audaces e do Sebrae.
Num cenário de crise econômica e tantas incertezas, nada melhor do que se cercar das melhores dicas para empreender. Por isso, a Pesquisa de comportamento e tendências começou em maio deste ano e contou com muitas trocas animadas entre os pesquisadores convidados – Adriana Boulos, Carol Perlingieri, Guilherme Gaspar, Marina Ribas e Rafa Joaquim.
Depois da apresentação dos quatro temas e movimentos emergentes com degustação olfativa (o Bureau de Estilo desenvolveu com a Jing uma aroma exclusivo para cada tema), Renata fez a decupagem de looks, cores, estampas, acessórios e as apostas para o verão 2020.
Cada pesquisador convidado falou sobre sua área de especialidade. Adriana Boulos abriu o debate apresentando novidades da estamparia.
Rafa Joaquim, do Coolhunter Favela, listou Ilka Cyana, Maxwell, da Rocinha, Yasmin Tayná, de Nova Iguaçu, Erica Malanguinho, de São Paulo, e Maria Beatriz Nascimento, socióloga e antropóloga, como as “cinco coisas que você precisa saber sobre “Favela e Inovação”.
Marina Ribas também trouxe sua lista nas Artes Design e Visual Merchandising, fazendo referências aos temas apresentados por Renata Abranchs. O ponto alto foi a estética intrigante dos algorítimos nas Artes e na Moda. “A arte pode se apropriar, e se apropria, da tecnologia”, disse.
O consultor Guilherme Gaspar apresentou novidades sobre o Jeanswear. Entre elas, como a indústria está se adequando ao fazer sustentável. “O jeans é uma indústria que polui muito. Gasta-se muita água para fazer uma peça. A indústria do denim está repensando essa cadeira, para que um produto que existe há 150 anos continue sendo atual. A Wrangler vai lançar ano que vem sua linha que tem uma tecnologia limpa, com 1% do que se usa de água normalmente. Vai ser revolucionário”, apontou.
Para encerrar as apresentações, Carol Perlingieri falou sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU – resposta global para os maiores desafios que a humanidade enfrenta, dividida em 17 itens. “As ODSs são um guia para atuar de forma sustentável. Se a globalização não funcionar para todos, não vai funcionar para ninguém, como já dizia o Kofi Annan”, disse Carol.
Depois dos talks, Lívia Marttins comandou uma dinâmica criativa, que resgatou os projetos iniciados na edição 1 do CRIÁVEL e iniciou novos planos com quem ainda não havia começado. Para encerrar o encontro com o astral lá em cima, para que a tarefa de realizar seja o mais suave possível.
Nos intervalos, os participantes puderam conferir as novidades da minfeira têxtil montada no IED, da qual participaram  Fashion Revolution, através da BE Fashion Week, a Pipa Social, e Texprima BR, Tecnoblu e Werner, que levaram suas inovações, propostas sustentáveis e amostras de produtos.
O CRIÁVEL não existiria sem o apoio do IED-Rio, Insecta Shoes, Tecnoblu, Cícero Papelaria, Mentah, Adriana Boulos, Favela Coolhuner, Marina Ribas, Malha, Guilherme Gaspar, Fauna, Fashion Revolution, Spectaculu, ArteDesenho, JVE, Fumel e Jing. Nossa gratidão a todos.
Por último, mas importantíssimo: com seus estudos sobre sustentabilidade e aconselhamentos, a pesquisadora Elis Vasconcelos está nos colocando no caminho para que o CRIÁVEL se torne um evento lixo zero. Em breve, muito em breve, chegaremos lá. <3

Comentários