Ir para conteúdo

O batidão continua

Fotos:
|
Texto: RIOetc

Foto: reprodução

[Galalau/Pitada]

A última coluna tratou do funk carioca misturado a referências do freestyle e deep house no ótimo trabalho do coletivo Rio Shock, encabeçado por João Brasil e Filipe Raposo. A semana seguiu adiante, o Rio Shock – certamente! – fez um grande show no Rider Weekends, ontem, mas a música da nossa periferia misturada ao que se produz em outros cantos continua no centro das atenções.

Agora, são as meninas (nenhuma das três integrantes completou ainda 18 anos) do Pearls Negras, crescidas no Vidigal, que chegam pra tomar a cena do rap carioca de assalto. E abrir portas, porque a queixa em uníssono é de que o mundo do hip hop é bastante machista. Mas, sem apelar para o embate de gêneros, Alice Coelho, Mariana Alves e Jennifer Loiola vão pavimentando seu próprio caminho e atraindo olhares, muito respeitosos, da crítica internacional.

E, como é comum no Brasil, teve que vir alguém da gringa pra valorizar o que é nosso e alavancar o trabalho das “pérolas negras” do Vidiga. O produtor inglês David Alexander, que já trabalhou com nomes do hip hop alternativo, como o grupo Yo! Majesty e Dominique Young Unique, esteve no Brasil, ano passado, para gravar algumas músicas e um clipe com as Pérolas. Em algumas entrevistas, ele chegou a dizer que pouco sabia de particularidades do país, como a caipirinha, e que não entende bulhufas do que as meninas cantam, mas que se impressionou muito com a força de expressão delas.

O resultado pode ser conferido numa espécie de EP, com sete músicas, chamado Biggie Apple Mixtape, com produção e licenciamento do selo inglês Bolabo Records – que, visivelmente, nutre paixão pela música da periferia brasileira, em especial o rap e o funk. O carro-chefe é a excelente e super feminina “Pensando em Você”, que já alcançou mais de 100.000 views no YouTube em menos de 10 dias. Sinistro!

Mas quem pensa que o lance é rap “perfumado”, pode tirar a éguinha pocotó da chuva e se preparar para o beat acelerado de “Bata Dois” que trata da dura realidade da vida em cima do morro com o difícil equilíbrio entre o certo e o errado. “Mr President” é mais uma faixa de lavra ácida com duras críticas à situação do país, deixando a pergunta no ar: “sua presidenta, o que é que você diz? What, Mr President?!”.

O conjunto da obra deste EP da Pearls Negras traz uma grande mistura de nomenclaturas para diferentes estilos. Dubstep, hip hop puro e simples, até mesmo um house leve, meio indie, meio electro que resulta na ótima batida pop de “Make It Last”, misturando inglês e português. “O Futuro” tem uma base marcada numa miscelânea percussiva que serve de cama para o verbo solto que, como Moisés, abre caminho no mar de preconceitos contra o rap feminino.

Enfim, sem mais delongas, as mina são de respeito e ai de quem duvidar!

Comentários