Ir para conteúdo

MIMO Festival: música, afeto e patrimônio

Fotos:
|
Texto: RIOetc

0M4A4151 ok 0M4A4158 ok

Fotos: Victor Ronccally

[Vivian Melchior]

Foi em pleno carnaval de Olinda, na frente da famosa Catedral Alto da Sé, que a Lu Araújo teve o insight de criar o MIMO – Mostra Internacional de Música em Olinda. Quando viu um grupo jogando garrafas e latinhas por ali, pensou: 1) “por que aquele lugar não estava cercado e protegido?” e 2) “por que aquele grupo, que era de locais (e não de turistas), não se tocava que aquele espaço era importante para o patrimônio da cidade?”. Bem, certas coisas não tem explicação, mas a cena permaneceu na cabeça da Lu: o que ela poderia fazer para mudar situações como essa? Foi então que, em 2004, surgiu a ideia de criar um festival que ocupasse igrejas e patrimônios de Olinda com música.

O MIMO já não pertence mais só ao Recife: passou por cinco cidades do Brasil, foi até pra Portugal e está em sua 2a edição no Rio de Janeiro. “Nunca vou me esquecer o dia que vi o primeiro concerto do MIMO, na Catedral da Sé. Eu entendi na hora que aquilo ia mudar a minha vida e imediatamente comecei a chorar”, relata Lu que, além de ser a idealizadora do festival, é também a curadora artística. Ela conta que, no primeiro show, a Igreja estava lotada com mais de 800 pessoas – e mais duas mil esperavam do lado de fora, querendo entrar. Ela tentou fechar as portas, mas as batidas foram tão veementes que, desde então, as portas das Igreja e demais locais que abriguem os shows do MIMO nunca mais foram fechadas!

O conceito do festival foi amadurecendo com a trajetória da Lu, cuja iniciação com a música começou cedo: o pai tinha uma loja de discos e, mais tarde – já com o marido, que era músico – ela abriu outra loja, especializada em vinis independentes, a In-depente Discos. Lá, ela descobriu Elza Soares, Beto Guedes, Chico, Caetano e tantos outros nomes. “Eu fiz o MIMO do jeito que eu acreditava: basicamente eu tentei fazer tudo de diferente do que eu detestava nos outros. Eu faço o que eu espero que seja o melhor”, conta.

Dito e feito. O MIMO é um festival de qualidade que respeita o patrimônio, a música e a diversidade. O que for de qualidade, tá dentro. Afinal, “mimo” é um nome afetuoso e a ideia é todo mundo se sentir assim, desde os artistas até o público.

Nesta 2a edição carioca, que começa hoje, você pode conferir shows, filmes e até workshops – tudo gratuito! Já adiantamos que o cenário da Praça Paris (vide as fotos que tiramos) está um escândalo, com direito a um palco inteirinho montado no lago (!). Vem conferir a programação!

Comentários