Ir para conteúdo

Festival FARO: (boa) música brasileira contemporânea

Fotos: Bel Corção
|
Texto: RIOetc

[Vivian Melchior]

Mais do que celebrar a nossa tão querida Música Popular Brasileira, o Faro MPB – programa de rádio que já existe há 10 anos – tem a intenção de exaltar os novos nomes e talentos deste gênero. Apresentado pela jornalista Fabiane Pereira, começou na antiga e já extinta MPB FM. A rádio acabou mas o programa continuou resistindo: mudaram o dial mas não mudaram o conceito. Continuam apresentando novos artistas responsáveis pela boa música popular brasileira. O formato do show veio para comemorar e também dar visibilidade a esses nomes. A boa notícia deste texto é que o próximo rola no Circo Voador, dia 9 de março – e só tem artista talentoso!

O Festival FARO, portanto, é um anexo do programa – embora distinto em alguns pontos.”A ideia e criação do programa foi do Yuri Almeida, DJ que tocava no Rivalzinho – enquanto ele era coordenador de promoção da MPB FM. Eu já trabalhava lá e fiquei 13 anos – na época, cuidava do conteúdo do site, etc. Há 6 anos, o Yuri e outras pessoas que cuidavam do Faro já tinham saído da MPB FM e eu entrei para fazer a programação e as pautas do programa”, conta. Um ano depois, a Fabi achou que a locução não estava funcionando: eles precisavam de alguém que entendesse dessa nova turma de músicos. Afinal, eles têm um recorte temporal  que conversam com artistas que lançaram discos pós-virada do século. O locutor deveria conhecer a história, por exemplo, do Otto, do Nação Zumbi –  esses não começaram pós-virada do milênio mas dialogam com essa turma. Ah, e claro: ao mesmo tempo, deveriam conhecer artistas como Rubel, Liniker e outros desta geração. “A gente queria que fosse algum apresentador neste processo”, acrescenta Fabi. Depois de fazer alguns testes, eis que surge a proposta de chamar a própria Fabiane. Até aulas para tirar o sotaque de Volta Redonda ela fez e, tcharã: o programa ganhou a melhor apresentadora e entendedora de todas! A jornalista, além de amar o que faz, é uma exímia conhecedora de novos talentos da MPB.

“Sou nada! As pessoas acham que eu superculta e cabeçuda no assunto. Gente, eu gosto de Luan Santana! [risos]. Temos a mania de rotular os outros. O Luan, por exemplo, não entra na programação pois as rádios que eu já trabalhei têm uma linha de não tocar sertanejo. Mas, se fosse por mim, entraria! Inclusive, ele acabou de gravar uma música com a Tiê chamada “duvido“. Tá no novo disco dela. Aguardo e confio que ainda vou conseguir”, conta. E nesse clima descontraído e animado, conversamos sem ver a hora passar no Circo Voador.

“Uma coisa que eu quis muito nesta edição – e consegui – foi representatividade. Na balança, mais mulheres que homens. Se a gente está no auge do movimento feminista, eu, como mulher e uma das poucas curadoras mulheres no Brasil, quis muito que a maior parte fossem mulheres. Dito e feito: serão 4 mulheres e 2 homens na programação dos shows”, finaliza.

Junto com a Natura Musical, patrocinadora e curadora do festival deste ano – claro, junto com a Fabi e a equipe do Faro MPB, escolheram Cícero, Tim Bernardes, a banda goiana Carne Doce, Letrux, Liniker e Larissa Luz. A casa abre às 21h e os shows tem início às 22h.

Quem avisa amigo é: tá valendo (muito) a pena conhecer todos esses novos artistas e ir neste showzaço que o Rio tem a sorte de receber. Enquanto isso, o programa de rádio FARO é transmitido todo domingo, das 22h às 24h, na SulAmérica Seguros Paradiso FM (95.7 FM). Perde não!

Comentários