Ir para conteúdo

A nova Adele?

Fotos:
|
Texto: RIOetc

aaa

Foto: reprodução

 

[Galalau/Pitada]

 

O título pode parecer exagero. Mas a voz de grande alcance, suas composições, a beleza exótica e a ascensão meteórica em pouco menos de um ano, colocam o talento de Laura Mvula no mesmo nível da diva pop inglesa.

A crítica especializada ainda tenta rotulá-la. Pop? Soul?? Jazz?! O Guardian chegou a criar um novo gênero, “gospeldelia”, em referência à clássica trajetória musical de Mvula entre coros e orquestras.

Nascida em Birmingham, maior cidade da Inglaterra depois de Londres, a tímida e acanhada ex-recepcionista foi relacionada pelos críticos do BRIT Awards 2013 e chegou à quarta posição do BBC’s Sound de 2013. Isto com apenas um único EP lançado até então. Somente em março, “Sing To The Moon”, seu primeiro disco completo, chegou ao mercado e de forma arrebatadora.

O carro chefe, a canção “Green Garden” (video: http://youtu.be/5akYnlwubDo), abriu os caminhos com trechos como “Walk in the carpet of green velvet… I’ll fly on the wings of a butterfly, high as a treetop and down again” – algo como “Ando no tapete de veludo verde … Eu vou voar nas asas de uma borboleta, alta como na copa da árvore e de novo para baixo”. Pura poesia. “That’s Alright” (video: http://youtu.be/hYjHixQ9Ns4) foi o segundo sucesso evocando o ritmo percussivo de tribos africanas em uma enorme teia sinfônica por baixo da poderosa voz de Mvula.

O primeiro single “She” (video: http://youtu.be/cG8dCuMibdI) que a catapultou ao sucesso, parece ter sido moldado para um certo apelo comercial mas, ainda assim, passa muito distante do pastiche comercial das FMs. Neste sentido é que a comparação com a Adele parece mesmo desproporcional.

Apesar de Laura Mvula compor sobre temas que giram em torno das complexidades do amor mesclando-as a metáforas repletas de um ar misterioso e etéreo, canções como “I Don’t Know What the Weather Will Be”,  “Flying Without You” e “Father, Father” estão muito distantes dos clichês da indústria fonográfica. Mvula é, sem dúvidas, uma raridade!

 

Comentários