Ir para conteúdo

A doçura amarga de Ellen Corrêa

Fotos: Felipe Haua
|
Texto: RIOetc

[Cari Caldas]

“O Rio é caótico, eu também sou caótica, então estamos crescendo muito juntos”. De Campos dos Goytacazes, a rapper Ellen Corrêa começa a dar seus primeiros passos na Cidade Maravilhosa: neste domingo, dia 03, a artista mais votada da Estação RIOetc vai sintonizar na nossa rádio, e mostrar pra todo mundo a doçura por trás da agressividade de suas rimas.

“As minhas composições estão ligadas à agressividade porque não consigo colocar essa ‘raiva’ no dia a dia, então conecto minha arte à esse sentimento, mas ser agressivo não necessariamente significa ser violento”, explica a cantora e compositora, que ao contrário de muitos artistas do movimento hip-hop, começou a rascunhar suas composições entre as quatro paredes de uma igreja evangélica.

A influências da família, ligada ao samba, e do irmão, quem lhe mostrou artistas como Planet Hemp e Charlie Brown Jr., fizeram com que as poesias ganhassem ritmo e também ganhassem os palcos. Depois da primeira apresentação, em um sarau de igreja, Ellen não parou mais. Decidiu conquistar todos os espaços de sua pequena cidade, dos mais elitizados aos mais segregados. Em janeiro de 2018, a rapper viralizou com uma paródia do hit “Vai Malandra”, na qual expunha o caso das “Meninas de Guarus”, no qual crianças e adolescentes de Guarus, uma região de Campos, eram exploradas sexualmente e obrigadas a consumir drogas sem poder oferecer resistência.

“Muita gente achou que era uma afronta à Anitta, ou uma tentativa de silenciar a voz dela, mas na verdade era só uma forma de mostrar que eu tinha algo mais à dizer”. Ô se tem, né Ellen? No próximo mês, a rapper lança duas músicas pílula, com duração de cerca de um minuto, para contar a história dessa saída da zona de conforto para conquistar espaços maiores. “Ao mesmo tempo em que a minha cidade era confortável para mim, também era um lugar muito conservador, com preconceito velado, homofobia, então é uma sensação dúbia. É hora de lidar com outros monstros, de ser mais forte, mas também de me permitir mais fragilidades”, resume a cantora.

Quem quiser ouvir de perto as composições da Ellen Corrêa, é só confirmar presença no nosso evento Estação RIOetc + Reunião sem Pauta, que também traz à loja artes impressas de cinco artistas, mulheres e feministas, com curadoria da designer Anna Janot. Tarde das manas na loja <3 Vamos?

Comentários