Ir para conteúdo

A moda em processos

Fotos: Tiago Petrik
|
Texto: RIOetc

A Dani Sabbag, estilista e uma das criadoras da marca de roupa feminina Wasabi, é o exemplo perfeito de que nunca é tarde pra buscar fazer aquilo que se ama. Ou até se descobrir em algo que nunca imaginou ser seu caminho. Antes de se formar em Design de Moda pelo SENAI CETQT, a Dani havia feito uma faculdade inteirinha de Direito. “O Design de Moda entrou na minha vida como uma segunda história. Eu já trabalhava com administração e me vi com 20 e tantos anos não gostando do que eu tava fazendo, então resolvi pensar em outra coisa. E pensei em moda! Eu fiz um curso de Pós-Graduação em varejo, mas achei que tinha que me formar de novo. E lá fui eu fazer de novo uma graduação”, conta Dani. E ainda bem que ela foi: “a Wasabi nasceu lá, onde eu conheci minha sócia. Eu achei que ia pro mercado. Queria juntar a minha formação em varejo e trabalhar na área de varejo de moda. Não tava querendo ter outro negócio meu de jeito nenhum. Mas foi um encontro que a vida trouxe e foi um encontro muito legal e inevitável.”

Mais do que um encontro com a sócia Ana, o SENAI CETIQT trouxe um encontro pessoal. “Eu sonhava em fazer faculdade desde pequena, sempre fui aplicada. Meu primeiro curso, na Nacional de Direito, eu achei que ia ser o máximo. E foi muito frustrante por uma série de questões, inclusive porque eu não tinha que estar lá. Quando eu fui fazer a Faculdade Design de Moda todo dia era azul. Eu não lembro de um dia chuvoso no CETIQT. Fiquei com essa sensação [de dias azuis].” A Dani, então, se descobriu como criadora e desenvolvedora de produto, além de uma ótima vendedora. “Hoje eu até gosto de vender, acho que eu vendo bem, mas eu adoro desenvolver, pesquisar tecido, fazer as escolhas de cores, estampas, texturas. Acho um tesão.”

E muito mais do que se descobrir designer, a Dani Sabbag se apaixonou pelo processo produtivo como um todo. “Eu acho o SENAI CETIQT muito mais voltado pra indústria. Eu consegui, com eles, olhar e entender a cadeia de produção inteira. Desde o começo, o fato de você estar em um grande modelo de fábrica – e lá você tem a possibilidade de estar em contato – faz você respeitar o ciclo. Eu sei que eu sou uma profissional que olha pra uma peça e entende o tamanho dos processos, todas as fases do produto e do negócio. Isso veio da Faculdade SENAI CETIQT, essa visão de tudo e todos. Saber como uma costureira faz, como um cortador faz, como um tecido é construído e o porquê um engenheiro pensou sobre determinada fibra ou processo químico.”

Fora isso, restam as inúmeras lembranças do campus e dos professores. “Eu tive vários bons professores, principalmente as professoras do começo do curso e que me despertaram pra cor, pra história do design, pro que é a construção do design. Lembro das paredes, da cantina, de comer no bandejão, lembro da biblioteca, de ficar lá até mais tarde. A experiência foi muito gostosa. O campus do Riachuelo, eu recomendo muito. Quem quiser fazer moda tem que fazer lá. Ali você tá perto da realidade de quem trabalha com moda, de estar no subúrbio, onde as fábricas estão.”

As vagas para o 2º semestre do SENAI CETIQT estão abertas! Tem vaga pra Engenharia Química, Design Habilitação em Moda e Tecnologia em Produção de Vestuário. Vai até dia 12 de julho, aproveita!

Comentários