Ir para conteúdo

Muito prazer, VOA

Fotos:
|
Texto: RIOetc

_DSC3379 cópia _DSC3207 cópia _DSC3221 cópia _DSC3230 cópia _DSC3260 cópia _DSC3310 cópia

Foto: Juliana Rocha

[Francesca Leta]

As histórias de Lola Vaz e Nathalie Kuperman se cruzaram há pouco tempo. Foi em junho desse ano que se conheceram, e a marca de joias VOA começou, despretensiosamente, a tomar forma.

Nathalie cursou Comunicação, mas em pouco tempo percebeu que a vida em redações de jornais não era lá muito sua praia. Seu pai tinha uma confecção, e isso a encorajou a fazer um curso técnico de Estilismo. Por quinze anos teve sua marca própria de roupas. “Com o nascimento dos meus dois filhos, optei por dar mais atenção a eles e encerrei os trabalhos da confecção”, explica. Em abril de 2014, ela redescobriu o gosto pela criação e daí nasceu a curiosidade por joias. Aos poucos, ela procurou fazer cursos para aprender mais sobre o assunto.

Lola é formada em design gráfico e trabalhou na área por mais de 15 anos. Lola, que é mãe de gêmeas, certa vez fez a identidade visual de uma marca de joias e começou a se interessar pelo assunto. “Foi assim que decidi entrar em um curso. Me apaixonei pelas coisas miúdas e a física envolvida para derreter o metal”, explica Lola.

Foi nesse curso que Nathalie e Lola se conheceram. Ambas sentiam a necessidade de aulas mais teóricas e se juntaram com o intuito de promovê-las. “A gente queria criar algum conteúdo teórico sobre joias, mas eu já estava procurando um parceiro para começar uma marca”, conta Nathalie, que desde então criava peças autorais e decidiu chamar Lola para embarcar com ela nessa ideia.

As peças-piloto da VOA são repletas de memórias. “Quando comecei a produzir as joias, minha mãe me presenteou com pontas de canetas tinteiros que eram da loja do meu avô. Essas pontas eram de ouro 14k – que tem mais níquel em sua composição. Com a ajuda de ourives, transformamos em ouro 18k e demos um novo significado às joias”, explica Lola, mostrando as que ainda estão intactas – dá play nas setinhas para ver.

A marca produz brincos, colares, anéis e pulseiras em prata e ouro, com diamantes, turmalinas verdes e pedra portuguesa lapidada. “Nosso diferencial é também ressignificar a pedra portuguesa, que tanto conhecemos dos calçadões. Afinal, o chão é o ponto de partida para voar, certo? ”

A primeira coleção tem cerca de 20 peças e o lançamento vai rolar esse sábado, dia 12, no Horto.

Comentários