Ir para conteúdo

Muito Prazer, Studio Adriana Valente

Fotos: Tiago Petrik
|
Texto: RIOetc

@studioadrianavalente

Os trabalhos manuais sempre foram uma paixão – e vontade – da designer de moda Adriana Valente. E foi através de um curso de produção de jóias que a Dri se realizou. “Eu comecei a trabalhar primeiro com prata e pedras. Era a época em que o abacaxi tava na moda, lembra? Tinha abacaxi em todos os lugares e eu nunca gostei de fazer coisas que todo mundo faz. Tenho pavor de fazer algo parecido com alguém, então decidi fazer cajus. Fiz o primeiro caju esculpido na cera e mandei fundir em metal. Fiz algumas peças e levei na Dona Coisa”, conta. Junto com o elogio às peças, veio a dica: desenvolver acessórios em madeira.  “Ela me deu a Monies, marca dinamarquesa, como referência. São peças statement e, quando eu vi, me encontrei! Peguei esse conceito e abrasileirei totalmente.”

Assim nasceu seu estúdio e ateliê, com peças esculpidas em madeira de descarte e com detalhes em latão banhado em ouro e prata. Foram dois anos construindo toda a concepção da empresa e da primeira coleção, intitulada Sertão. Todos os detalhes das peças levam ao clima de lá: o chão rachado, os espinhos de cactos, o ouro do sol.

“Eu fui pesquisar escultor, encontrei o Urubatan, de Pedra de Guaratiba, pois eu já tinha alguns desenhos. Não posso deixar de dar sempre crédito a ele, pois ele cria tanto quanto eu. Embora eu faça meu desenho, é a mão dele que tá ali, o olho dele. Inclusive comecei a ter aulas com esse escultor pra entender melhor de madeira” e de caçambas, já que, hoje, vive atrás de madeiras que estejam sendo descartadas.

A relação com a natureza não se restringe apenas ao material usado na confecção das peças. A sustentabilidade é parte do propósito da empresa e da Dri nesse mundo. “Até o cartão é de papel semente, se você planta, gera uma papoula. A embalagem é de algodão e o couro da cordinha é ecológico. Essa coleção ainda não consegui  que fosse sem nenhuma origem animal, mas a próxima será.” Aliás, pra quem ficou interessado, a próxima coleção – a princípio intitulada de Antes – será sobre a idade da pedra e vai trazer peças e acabamentos mais rústicos, com mais metal oxidado. Enquanto isso, as peças da coleção Sertão podem ser encontradas no seu site, na Mostra Moda, no Shopping Tijuca (até o dia 31 de maio) e na Feira na Rosenbaum, que rola em São Paulo, de 10 a 13 de maio.

Comentários