Ir para conteúdo

Um ano na Niemeyer

Fotos:
|
Texto: RIOetc

_DSC3142 cópia _DSC3254 cópia _DSC3265 cópia _DSC3269 cópia _DSC3274 cópia _DSC3324 cópia _DSC3325 cópia _DSC3339 cópia _DSC3347 cópia _DSC3105 cópia _DSC3130 cópia  _DSC3164 cópia _DSC3170 cópia

_DSC3244 cópia_DSC3174 cópia _DSC3181 cópia _DSC3184 cópia _DSC3190 cópia _DSC3200 cópia _DSC3208 cópia _DSC3217 cópia _DSC3223 cópia _DSC3231 cópia
Fotos: Juliana Rocha

[Francesca Leta]

Há quase 16 anos passo pela Niemeyer no caminho pra casa. Sempre tive a vontade de passear a pé por aquelas curvas e saber o que tem atrás de alguns muros. Há pouco inauguraram a ciclovia e minha relação com a via já aumentou. Sinto que agora, de fato, eu a conheço. Mas, há pouco tempo, eu descobri um cantinho especial, atrás de um muro grafitado azul.

Quando entrei não entendi muito bem a dinâmica do espaço. Logo depois do portão, uma casa. Mais uns 5 passos, um hostel. E no final de tudo isso – somado a uma vista de arrepiar – uma outra casa dividida em 3 apartamentos. Um deles, da Marcela Santiago.

“Sou mineira, morei em São Paulo, mas sempre namorei o Rio. Quando dava eu inventava uma desculpa para vir para a cidade”, lembra Marcela, que é diretora criativa da Hayla Bags, que já falamos aqui. “Quando estruturei a marca me mandei pro Rio. Estava quase fechando um apartamento na Barra quando a Paloma, amiga e vizinha de cima, falou que esse aqui tinha vagado. Eu fiquei tão feliz, que comecei a chorar”, conta Marcela, que acredita que de tanto mentalizar morar nesse exato apartamento, conseguiu. “Minha conexão com o mar e essa cidade sempre foi forte. Morar aqui fortaleceu ainda mais.” Alguns dias de verão ela acorda junto com o sol para ver o espetáculo rosa e laranja no céu e agradecer a vida.

Ela divide o apê com seu amigo, André Cerqueira que, assim como ela, também é designer. O bom gosto dos dois está estampado em cada milímetro do apartamento, que estava cru quando chegaram. “Cada um trouxe seu acervo, fomos comprando o que faltava e trazendo de viagem alguns objetos. Amamos design. Em cada canto da casa tem um livro. A ideia é que quem chega aqui se sinta em casa, aconchegado.” E é impossível não se sentir: as são luzes fraquinhas, o sofá confortável, o barulho do mar…

A casa é movimentada. Afinal, são 3 apartamentos, 6 pessoas, 5 cachorros e 3 peixes. Na casa da Marcela vive o Jimy, o cão aí das fotos, e os três peixes: Beta, Fiona e Shrek. “As portas vivem abertas, é uma comunidade. Adoramos receber os amigos e cozinhar.”

Marcela vive lá há um ano. Mas essa casa dos anos 50 é cheia de histórias. A Elis Regina já morou lá nos 70 e – veja só – até a Sheila Carvalho já fez um ensaio sensual, bem ali no cantinho do quarto. Marcela e seus amigos/vizinhos continuam escrevendo a história desse lugar especial e mágico na Niemeyer.

 

Comentários