Ir para conteúdo

Os galhos de Jacarandá

Fotos:
|
Texto: RIOetc

_DSC0469 copiar _DSC0503 copiar _DSC0510 copiar _DSC0511 copiar _DSC0520 copiar _DSC0521 copiar _DSC0526 copiar _DSC0533 copiar _DSC0553 copiar _DSC0558 copiar _DSC0560 copiar _DSC0569 copiar _DSC0576 copiar _DSC0605 copiar _DSC0617 copiar _DSC0627 copiar

Fotos Tiago Petrik

[Fernanda Prestes] 

Jacarandá é árvore, mas também é o nome da maior e mais recente plataforma de arte contemporânea brasileira. O projeto nasceu de forma orgânica dos encontros experimentais de diferentes artistas, entre eles o Raul Mourão, que formam o Arte Clube Jacaranda. Esses encontros, que tinham como sede a Vila Jacarandá, uma casa centenária em Santa Teresa, foram rendendo galhos que hoje florescem a cena artística carioca e brasileira.

O primeiro fruto desse trabalho foi a revista Jacaranda distribuída de forma gratuita e que já está na terceira edição. “Quando a revista foi idealizada eu estava em Nova York e, por isso, a primeira foi feita em inglês, pensando em ampliar a informação sobre a arte feita aqui no Brasil no circuito internacional”, conta Raul. As edições seguintes já trazem também um caderno em português.

Recentemente, o Jacaranda passou a ocupar uma casa na Villa Aymoré, na Glória, e abriu suas portas com a exposição “Do clube para a praça”. O nome é bastante sugestivo e mostra a ideia por trás do espaço: levar as discussões e obras do clube para o público. A reunião das obras contemporâneas de artistas como Gabriela Machado, Vik Muniz, Rato Branko e do próprio Raul Mourão, foi feita pela Luisa Duarte e fica em exposição até meados de setembro, quando dará lugar a uma mostra em homenagem ao Tunga. “Nós não somos uma galeria, mas um centro de arte expositivo e experimental que vai receber cursos, palestras, workshops e exposições”, explica Raul.

E o Jacaranda não para por aí! Junto com o ArteRio, em setembro, será lançado um banco de dados online que irá reunir obras, biografias e textos de artistas brasileiros. “Cada artista será responsável pela manutenção e pelas informações do próprio perfil, o que traz um grau de confiança.” Todo o projeto se sustenta, entre outras formas, através de um crowdfunding: doze artistas foram convidados a cederem uma imagem de sua obra que foram produzidas em prints de fine art numeradas e assinadas.

Comentários