Ir para conteúdo

O bom filho à casa torna: um cantinho escondido em Laranjeiras

Fotos: Café Ipiranga
|
Texto: Gabriel Boliclifer

Faz um pouco mais de dois meses que nos mudamos de Ipanema pra Laranjeiras. Moramos aqui em 2015 e agora voltamos em uma circunstância um tanto diferente, durante a pandemia. Confesso que é muito esquisito me mudar pra um lugar novo e não poder sair pra explorar, conhecer os arredores. Eu sempre fui muito próximo de Laranjeiras. Além de ter morado aqui, tenho muitos amigos laranjenses e sempre frequentei muito o bairro, mas tem coisas que você só descobre morando. Os cantinhos escondidos do olhar corriqueiro da rotina, as lojas de material de construção cujo letreiro já nem diz mais o nome de tanto tempo que está ali mas que todo mundo sabe: é a loja do Seu Edvaldo, a quitanda, o mercadinho do bairro, a carrocinha de churros que te pesca pelo nariz. Eu gosto de descobrir esses lugares escondidos, me faz sentir pertencente ao subtexto do bairro. Mas nesse momento, como faz? A gente acaba apelando pros aplicativos de delivery mas eu duvido que a quitanda esteja no iFood ou que seu Edvaldo tenha desenvolvido um aplicativo de entrega de parafusos. E na real, isso faz deles mais especiais ainda. Eles são a história do lugar, carregam os grandes — mas principalmente os pequenos — acontecimentos do bairro no DNA. A Rotisseria Sirio-Libanesa é um belo exemplo disso. Pulsando no Largo mais polêmico da cidade — é em Laranjeiras sim, catete e flamengo que chorem — e oferecendo a melhor esfiha do Rio desde que me entendo por gente. Muita coisa mudou desde 16 de março de 2020. Muita coisa fechou, mudou de lugar, mas ainda há quem se mantenha.

É nas poucas saídas ao mercado ou outros serviços essenciais que aproveito pra tomar o caminho mais longo — chapeuzinho vermelho, eu não vou cometer o mesmo erro que você —, com mais curvas pra observar os detalhes. Pode parecer óbvio, mas às vezes a gente só se dá conta de que não viu, porque não tava olhando. As distrações são muitas — alô instagram —, mas de repente uma portinha verde e uma luminária antiga na parede me chamaram mais a atenção do que o vídeo da filha da Tatá Werneck sendo inacreditavelmente fofa mais uma vez. Me aproximo e, do lado de fora, na parede, estava um quadro descrevendo o cardápio simples. Nunca tinha visto um restaurante servir bertalha com ovos — um prato clássico aqui de casa, que realmente achei que só tinha aqui.

O Café Ipiranga 138, de endereço quase homônimo — Rua Ipiranga 138 —, tem raízes em uma casa histórica de 1890, quase na esquina com a Paissandu. Nasceu em 2008, complementando a Cine Ipiranga — vídeo locadora dos mesmos donos — um pouco mais velha. As receitas saem diretamente do caderno da família, escritas à punho pelas próprias matriarcas. Sabe quando a comida tem gosto de comida de verdade? A gente tava sentindo falta disso aqui, de um lugar cuja comida tivesse gosto de comida feita no fogão de casa. Eles não estão nos aplicativos de delivery, então tem que entrar em contato diretamente pelo instagram @cafeipiranga mesmo. Aos leitores que não moram em Laranjeiras e adjacências, minhas sinceras desculpas pela dica ser tão bairrista essa semana, mas eu realmente não tinha como não recomendar esse cantinho. Assim que der, venham tirar a prova. Oi meus laranjais, to de volta <3

Comentários