Ir para conteúdo

Beba Mate Shine

Fotos: Felipe Haua
|
Texto: RIOetc

[Cari Caldas]

A água de coco que me perdoe, mas o mate é a bebida oficial do carioca. Seja direto do galão da praia ou da garrafa para um almoço de família, não existe hora certa para tomar um golinho. Quem curte mesmo a bebida, certamente já testou receitas mirabolantes para fazer o chá mate comum virar combustível para a pré. Foi numa dessas brincadeiras que Felipe Moniz chegou à primeira receita do Mate Shine. A bebida, criada há mais de dez anos, hoje leva chá de erva mate, suco de limão natural, álcool puro e alguns ingredientes secretos, e saiu do despretensioso churrasco entre os amigos para fazer sucesso entre a galera.

Os primeiros a comprarem a ideia foram os universitários. Segundo o sócio da marca, no Brasil existe um gap muito grande entre bebidas de baixo teor alcoólico e bebidas mais fortes como a vodka, por exemplo. Por isso, os calouros que ainda não se acostumaram, ou não gostam mesmo de cerveja, acabam se encontrando no Mate Shine. Por outro lado, não são só os jovens que caem nas graças do mate alcoólico. As bebidas mistas, como são chamados os drinks que misturam dois ou mais ingredientes, são tendência cada vez mais forte no mercado internacional e nacional. Por aqui, se depender do calor, chegam para ficar.

Desde 2017, quando a bebida foi lançada oficialmente, a embalagem mudou, mas o conteúdo é o mesmo. A antiga garrafa de vidro, que guardava 950 ml do “líquido precioso”, teve de dar lugar à garrafa long neck, de 355 ml e o latão, de 473 ml, por questões de fornecimento. Já a versão no galão, é feita para compartilhar: com os amigos, família, num aniversário ou formatura. As adversidades de produzir de forma independente, especialmente no cenário em que nos encontramos, eles contornam com a mesma leveza que a bebida, e prometem proporcionar cada vez mais encontros incríveis no Rio e pelo Brasil. E você? Já brilhou com seu Mate Shine hoje?

Comentários