Ir para conteúdo

RIOetc entrevista Tinker Hatfield

Fotos:
|
Texto: RIOetc

Fotos: Juliana Rocha

[Manu Porto]

Ele já foi considerado um dos designes mais influentes do século XX, uma das personalidade mais influentes dos business de esporte e é responsável pela série de tênis Air Jordan, além do primeiro “cross training” do mundo. Ele é vice presidente da Nike de design e projetos especiais e esteve no Rio para o Nike Festival de Esportes, que lançou a camisa da seleção brasileira. Ele é simpático, descolado – com tênis Nike colorido e boné da Hurley, também coloridíssimo -, de jeito tranquilão, que os cariocas até poderiam se identificar, e enormes olhos azuis. Ele é o cara e a gente teve a oportunidade de bater um papo rapidinho.

Tinker Hatfield se formou em Arquitetura e dizem que, se a Nike fosse o Brasil, ele seria o Niemeyer. Mas  o Niemeyer dos tênis. Ao entrar na Nike, em 1981 ele percebeu que seus conhecimentos em arquitetura podiam ser aplicados aos calçados, e suas inspirações podiam partir de formas que estão em todos os cantos. Tinker chegou a projetar espaços esportivos, mas foi em design de performance que se especializou. Seu trabalho se baseia em três qualidades: ser provocador, futurista e contar uma história (o famoso storytelling). Para cada tênis que cria conversa diretamente com o atleta, entende suas demandas, suas necessidades e aspirações. Mas as influências externas são essenciais para o processo e a originalidade do produto. Um dos seus tênis, por exemplo, foi inspirado em um prédio de Paris. Sua intenção é  criar algo que atenda de forma muito eficiente a necessidade do atleta, mas que também surpreenda de alguma maneira. E quando perguntado sobre seu tênis mais ousado, ele diz que foi o primeiro que fez pra Nike, o mais provocativo, e que eles não queriam fazer. Mas fizeram e, olha, se deram benzão.

Durante a palestra que deu no evento, Tinker Hatfield desenhou ao vivo no seu Ipad um tênis para um dos ouvintes. Perguntou sobre sua vida, sua história, cores prediletas. E contou que a tecnologia fez muita diferença no seu processo de trabalho. Antes, viajava muito para conversar com os atletas, anotava tudo e, voltando ao escritório, tinha que juntar suas informações, desenhos e anotações até conceber o produto. Mas a uns 3 anos atrás, quando comprou seu primeiro Ipad, marcou uma reunião com o Federer e, tomando um café com o tenista, conversaram, trocaram opiniões e ele fez ali mesmo o projeto do novo tênis que jogaria os maiores campeonatos de tênis do mundo. Um avanço e tanto.

No fim da palestra perguntaram pra ele qual conselho ele daria para um jovem que está entrando no mercado e pensando o que quer da vida, a resposta foi certeira: estudar muito, fazer seu trabalho, ter a cabeça aberta e acreditar no seu objetivo. Afinal, um arquiteto pode se transformar em um dos maiores designers de tênis da história.

E finalizada a fala, foi a nossa vez de conversar de pertinho. Como cariocas, puxamos a sardinha pro nosso lado e perguntamos qual seria o tênis perfeito pra quem vive no Rio. Hatfield diz que ele obrigatoriamente teria que ser colorido, de qualquer cor, mas bem vibrante, já que é essa a energia que a cidade passa. E leve, por causa do calor, de um material que seque bem rápido, pra evitar o suor, e impermeável. No Brasil, ele ficou impressionado com o nosso estilo de vida. Diz que na TV tudo que se sabe é que aqui tem samba, mulheres, carnaval, calor, alegria e tropicalismo. Mas é muito mais que isso. O Brasil é moderno, sofisticado, inovador, estiloso, com a cabeça aberta, cheio de arte urbana de qualidade e muitas coisas acontecendo. E, o mais importante, aqui as coisas são feitas com “joy and passion”, isso mesmo, satisfação e paixão. E por isso elas dão tão certo.

Inclusive, um dos brasileiros mais admirados por Tinker Hatfield é o Pelé. E pode até parecer clichê (pois que seja clichê então), mas ele explica: é que era muito impressionante assistir o tanto que o jogador era absolutamente profissional e preciso. Mas fazia tudo isso sempre com um sorriso no rosto. E os nossos Ronaldo, Ronaldinho, continuaram essa corrente, a do trabalho feito com qualidade, mas cheio de “joy and passion”.

Tem pessoas na vida que a gente fica feliz por poder conhecer, e mais, por serem tão inspiradoras. Tinker Hatfield, com sua simplicidade e energia tão boa, é uma delas.

Comentários