Ir para conteúdo

RIOetc entrevista: Paul Kurucz – Casa Kolor

Fotos:
|
Texto: RIOetc

_DSC2404 _DSC2418 _DSC2446 _DSC2470 _DSC2497

Fotos: Bruno Machado

[Francesca Leta]

Imagina tudo o que você já sabe sobre um coletivo. Agora esquece. Depois de conversar com Paul Kurucz, idealizador da Kolor, conheci uma nova perspectiva do cenário de produção de conteúdo do Rio.

Paul é o idealizador do projeto que agora ocupa uma casa no Humaitá e tem mais seis meninas na equipe: Tamires Melo, Diana Daou, Tamara Ganem, Lara Ferro, Fernanda Valois e Juliana Bernardino. E uma integrante especial, a Ronda (significa feia em húngaro!), uma manequim que acompanha os projetos da casa.

A história da Kolor começou na Hungria. Paul já trabalhava com eventos e palestras, quando ele e alguns amigos artistas começaram a organizar festas em locais não convencionais, como um mercado abandonado. Os ingressos eram sempre temáticos e faziam link com o local. “Uma vez fizemos uma festa em um abatedouro e o convite era uma pulseira de couro”, comenta Paul com seu português perfeito, mas cheio de sotaque meio húngaro, meio francês – duas culturas que trilharam a história do franco-húngaro antes dele chegar por aqui. O projeto, que sempre buscou a interdisciplinaridade, foi se expandindo e se instalou em um bar cultural, foi quando ganhou o nome de Kolor. Paul já havia morado em Salvador e sempre soube que voltaria para o Brasil. Há um ano mora aqui no Rio.

Hoje a coluna vertebral da Kolor é: casa cultural, eventos itinerantes, gravações e exposições. Todos os projetos do coletivo estão ligados a projetos de fotografia. “A maior diferença entre aqui e a Hungria é que aqui fazemos mais parcerias como a com a Void, Comuna e Parque Laje. Além disso, teremos mais festivais. Já são quatro que estão por vir.”

A Kolor tá encarando um novo desafio: a organização de shootings e ações maiores na área audiovisual. A proposta é fugir do que já existe e driblar, mais uma vez, os padrões. Investir em diferentes formatos de impressão, de suportes e de exposição.

O coletivo tenta sempre propor uma nova visão para os eventos que rolam na casa. Por exemplo o evento Dob/ra, que vai invadir a casa no dia 26 de setembro e tem a premissa de mostrar arte com foco em moda. Serão mais de quarenta designers e artistas que irão mostrar suas produções de maneiras inusitadas. “Queremos sair do padrão, não queremos mostrar a moda em araras. Todas as marcas escolhidas tem um trabalho mais autoral. O objetivo não é só a venda – alguns dos produtores nem vão vender!”. Fica aqui nosso convite para conhecer o espaço, a iniciativa e a Ronda!

Comentários