Ir para conteúdo

RIOect em Casa #1 entrevista Renato Andrade

Fotos:
|
Texto: Haydée Lima

Vivemos tempos de repensar tudo o que nos cerca e nos move. E para a gente que ama o Rio, a saudade dos abraços e dos dias de sol lá fora não é pequena, mas nenhuma prova de amor pode ser maior do que a de se colocar no lugar do outro nesse momento e #ficaremcasa.

Pensando nisso, nasceu por aqui uma vontade imensa de ver a vida por dentro também. Por que não buscar a poesia que tanto encontramos nas ruas, agora no interior das casas? Lançamos, então, o movimento #RIOetcEmCasa: a cada semana visitaremos uma casa, uma família, uma história carioca e compartilharemos os papos e reflexões desses encontros (por enquanto virtuais) sobre a vida e tudo o que acontece do lado de dentro :)

E para estrear essa série por aqui, tivemos a honra de adentrar a casa do querido Renato Andrade, colagista da Um Bocado de Drama. Carioca, estudante de publicidade e morador de Vila Isabel, Renato se inspira pela leveza que os cariocas vivem os dias:

“mesmo com o caos da rotina e as loucuras que acontecem no dia-a-dia, os cariocas sempre conseguem arrumar um jeito de manter o equilíbrio entre o caos e a leveza.”

Qual a sua história com a sua casa e como você descreveria a “alma” dela?

Eu sempre tive muito vontade de morar “sozinho”. Quando fui morar com meu marido há 6 anos atrás, foi uma realização muito grande, um passo bem importante na minha vida, uma felicidade em saber que eu iria conseguir ter um cantinho com a minha personalidade. Neste atual apartamento em que moramos, só bastou uma visita para nos encantarmos por ele. Quando eu fui visitar, era outono e a luz que entrava em um dos quartos (que é agora o nosso Home Office) foi encantadora. Foi certeza, foi amor a primeira vista, sentimos uma energia boa e que seríamos muito felizes ali: eu, ele, e James Franco (nosso filho/frenchie).

Como é a sua relação com a rua e com o bairro onde você mora?

Há alguns anos atrás, eu sempre ia fazer trabalhos de faculdade na casa de uma amiga e amava a rua do bairro onde ela morava que é Vila Isabel. Eu sempre achei que seria incrível morar ali pela vibe, comércios e tudo mais. Quando eu fui visitar o apartamento e vi o quão próximo era da rua da minha amiga fiquei mais encantado ainda, passou um filme na minha cabeça. Não esperaria que Vila Isabel iria me acolher tão bem anos depois. Sou muito feliz morando aqui ❤

Como reinventar o “estar em casa” quando não há a possibilidade de sair? Como criar e recriar o trabalho, a vida pessoal, o lazer e a rotina, estando em quarentena? Conta pra gente o que você já inventou para lidar com esse momento usando a criatividade com o que tinha em casa.

Essa quarentena está sendo muito produtiva para nós dois aqui em casa, mesmo sabendo que não se trata de uma competição de produtividade, tínhamos uma lista com alguns afazeres que sempre adiávamos por falta de tempo e preguiça (confesso rs), só sobravam os finais de semana para executarmos as ideias. Começamos mudando a disposição de alguns móveis para deixar nossa sala mais aconchegante, não compramos absolutamente nada, o que foi mais chocante, tudo ja tínhamos. Colocamos todos os nossos quadros na parede (foram horas fazendo teste de composição rs ) e começamos a analisar os espaços, foi um exercício bem importante entender que não é apenas uma casa, é o seu lar, onde você repousa, onde você cria, onde você se inspira. Entenda que sua casa é o local que tem o dever de deixar você ficar bem, mas para isso precisa da sua ajuda, da sua energia :)

O que você percebeu que mudou nos últimos meses dentro (na sua relação com os objetos, com suas relações, com a decoração da casa, com seus hábitos) e fora (na vizinhança, no prédio/casa, na rua, naquilo que você observa pela janela).

Aqui em casa, sempre gostamos muito de decoração, mas nesses últimos meses vimos o quão importante é você usar o que tem. Buscar inspiração no Pinterest é incrível, é lindo, mas você pode usar o que você tem na sua casa, pintar um objeto de outra cor, mudar uma prateleira de lugar para ser mais útil sem ter a necessidade de comprar algo que está fora do seu orçamento só porque você viu em uma composição no Pinterest.

Sobre novos hábitos, após termos deixado nossa sala bem aconchegante, do jeito que queríamos, para aproveitar esse friozinho que está fazendo no Rio de Janeiro, todas as noites eu tenho feito um chá para tomar assistindo alguma série ou vendo algumas referências para criar novas colagens e exercitar as ideias.

Fora de casa, tem uma frase que ecoa muito na minha mente que é “ouça o silêncio”. Na esquina da minha rua, tem um bar bem famoso que está sem funcionar desde o início da quarentena e era um bar que sempre tinha muita gente todos os dias, aos finais de semana música ao vivo, muitas famílias reunidas, era lindo de passar e ver aquela mesa cheia de familiares comemorando alguma data especial. E agora, ao passar por lá, sinto essa tristeza, mas lembro dos dias felizes em que eu passava por ali e via todo o movimento.

O que você gostaria de dizer do seu coração para o Rio nesse momento?

Rio, sabemos que nada será como antes, mas tenha a certeza que conseguiremos continuar com a leveza em nossos dias e na nossa essência.

Gostou? Compartilhe em suas redes!

Quer fazer parte do movimento e aparecer em nosso story? Poste sua foto em casa com a hashtag #RIOetcEmCasa e marque o @rioetc :)

RIOetc em Casa #1 | Conteúdo: Haydée Lima | Fotos: Renato Andrade

Comentários