Ir para conteúdo

Muito prazer, Aram

Fotos: Tiago Petrik
|
Texto: RIOetc

Era notícia boa que vocês queriam? Então aí vai: a Aram Joias acaba de chegar na loja do RIOetc e traz às nossas prateleiras placas e anéis de prata inspirados em cinco contornos da cidade: Corcovado, Pedra da Gávea, Pão de Açúcar, Morro Dois Irmãos e Arpoador. Idealizadas pela designer Martha Allemand, que na verdade é curitibana e formada em Arquitetura, as peças traduzem a paixão da artista pelo Rio e buscam uma estética simples e contemporânea.

O primeiro contato da Martha com o mundo da joalheria foi através do pai, ourives. Porém, na melhor definição de “casa de ferreiro, espeto de pau”, ela acabou seguindo pelos caminhos do urbanismo. Em 2002, “emprestada” para um projeto da Prefeitura do Rio no Centro, a então arquiteta aproveitou para se aprofundar neste universo com um curso da AJORIO (Associação dos Joalheiros e Relojoeiros do Estado do Rio), na Avenida Graça Aranha.

Dois anos depois, ela foi uma das 25 finalistas- entre cerca de mil concorrentes, vale ressaltar-, do concurso promovido pela mineradora Anglogold Ashanti, quando apresentou uma joia em alusão às raízes brasileiras. O bracelete seringueira, peça destacada no concurso, surgiu do questionamento do modo de produção no Brasil, que insiste em usar tanto as mesmas técnicas quanto o mesmo grupo social para os trabalhos de base, como é o caso da extração do látex da seringueira.

Para a coleção da Aram em homenagem à Cidade Maravilhosa, as inspirações vieram depois de uma temporada de um ano na Cidade da Luz: “eu morei um ano em Paris e via muita joalheria lá, mas me deu um enjoô daquilo porque eu comecei a achar tão rebuscado… É maravilhoso mas não é uma coisa que a gente usa no dia-a-dia, então eu voltei pro Rio e quis fazer uma coisa bem simples, bem clean“, explica a designer. As peças vendidas na loja são todas em prata, mas podem ser feitas sob encomenda em qualquer metal como ouro amarelo, branco e rosé.

Segundo a Martha, o futuro é promissor para quem insiste (e resiste) com o trabalho artesanal de joias: “No meu entendimento, a vinda do design para a joalheria, ou seja, ter saído da concentração das grandes joalherias e ter vindo mais para os menores produtores, criou muitos ourives novos. Os cursos do Senac e Senai produzem muitos ourives, então acho que hoje em dia existe um fomento desses profissionais que nos ajudam e muito a trabalhar. Pra mim, é gratificante fazer uma coisa que reforce a ideia do Rio de forma positiva”.

Comentários