Ir para conteúdo

A arte urbana: em breve, nos cinemas

Fotos:
|
Texto: RIOetc

Documentário A Arte Urbana Teaser 3 from Arte Urbana on Vimeo.

 

[Tiago Petrik]

Hoje a nossa Galeria Urbana tá de volta – mas, em vez das ruas, vamos pra sala escura. Vem aí “A arte urbana“, documentário de Otávio Souza sobre o processo que vem levando das ruas para as galerias e museus a produção de grafiteiros de Rio e São Paulo. A ideia é finalizar o filme no ano que vem. Vejam o que o idealizador do projeto conta sobre a produção:

De onde vem seu envolvimento com a arte urbana e por que você decidiu fazer o documentário?

Há cerca de 5 anos me formei em Desenho Industrial, e minha monografia foi sobre esse tema. Algum tempo depois, junto com alguns amigos profissionais de cinema, decidimos realizar o projeto. O envolvimento surgiu da apreciação de alguns trabalhos de artistas do grafite e arte urbana – sendo que alguns, inclusive, são amigos nossos. Além de curtirmos o assunto, percebemos que há uma lacuna a ser preenchida quando se trata de documentário envolvendo a arte e o grafite. Desenvolvemos um completo e único material que servirá como referência para trabalhos e projetos futuros envolvendo esse tema. Em termos de movimento urbano, visamos agregar valor para tal manifestação tendo como principal objetivo mostrar o grafite como arte.

Que lugares você registrou e ainda vai registrar? Qual deles é, pra você, o principal polo nacional da arte urbana?

Registramos no Rio e em São Paulo algumas das maiores exposições, tais como a Transfer (Pavilhão das Culturas Brasileiras), Bienal Internacional Graffiti Fine Art VIII (MuBE – SP), ART RUA (Gamboa – RJ), Multigrab (Galpão das Artes Urbana – RJ), Tocayo (Galpão da Cidadania – RJ), Dentro e Fora (MASP – SP), além de exposições individuais de artistas em galerias e lojas, como Movimento, Homegrown, Jaime Portas Vilaseca, Addict, JUNKZ e LAcucaracha (Rio), Choque Cultural (em São Paulo) e outras. São Paulo é gigantesca e muita coisa surgiu por lá. Temos muitas exposições e coisas legais rolando, mas o Rio não tá por baixo, já estão acontecendo grandes eventos periodicamente, e as galerias já percebem isso, e a cada nova exposição promovem algum artista com sua raiz no grafite.

Quais artistas você destacaria?

Na cena atual todos que entrevistamos, como ACME, TOZ, Eco, Binho, Ment, Piá, BR, BIG, Mack, Chivitz, Mateu Velasco, Presto e outros vários presentes no filme.

E fora do país, como anda a arte urbana? Ainda sofremos muita influência lá de fora?

O Brasil hoje é uma referência mundial. Nossos artistas são reconhecidos e estão expondo pelo mundo inteiro. O mesmo efeito ocorre inversamente, onde os gringos artistas cada vez mais vem ao Brasil expor seus trabalhos. Antigamente era difícil encontrar referências, mas hoje em dia com a internet e outros meios de comunicação fica mais fácil essa “troca” cultural.

Você encontrou muitos casos de artistas que já vivem disso?

Sim. O principal a destacar é que são profissionais sérios e compromissados com o que fazem buscando sempre aprimorar e aperfeiçoar seus trabalhos. Como muitos deles nos contaram, mesmo sem incentivo, continuam a acreditar e a produzir sempre.

O Brasil tem um estilo próprio? Qual é?

O Brasil é um país com enorme diversidade cultural, presente na identidade de nossos artistas, cada qual com suas formas, traços, personagens e cores facilmente identificados.

Quando será lançado o filme? O que ainda falta realizar?

A previsão de lançamento é para 2012. O filme é um documentário longa metragem, totalmente independente, realizado pela Filmes do Bem. Estamos ainda buscando parcerias, apoio e patrocínios, pois dependemos dessa busca de captação de recursos para poder finalizar o processo de edição do filme e, consequentemente, concluir o projeto. Esse processo é importantíssimo para que possamos levar o documentário aos cinemas, além de nos possibilitar fazer a  montagem e mixagem de som e todo o processo de tratamento da imagem. Feito isso, entraríamos mais pesado na divulgação e comercialização do filme. Estamos em contato com exibidores e distribuidores e esperamos lançar o filme em festivais de cinema no Brasil e no mundo.

Comentários