Ir para conteúdo

RIOetc entrevista Wendy Andrade

Fotos: Juliana Rocha
|
Texto: RIOetc

_DSC6361 copiar_DSC6346 copiar _DSC6348 copiar _DSC6352 copiar

 

Fotos: Juliana Rocha

[Vivian Melchior]

O Wendy Andrade é unânime. Até agora só escutei por aí: “o Wendy é o máximo, o Wendy é um fofo, as fotos do Wendy são sensacionais”. Para mim, escrever este breve texto é uma honra. O Wendy é realmente tudo isso – e meu maior medo era não conseguir transmitir a riqueza das coisas que ouvi, a importância e relevância das palavras dele.

Wendy é fotógrafo e autor do projeto Retrato Negro, cujo objetivo é retratar um negro por dia, durante um ano, começando em 2016, no dia 13 de maio – data da publicação da Lei Áurea. “A fotografia foi só um ponto de partida, a ponta do iceberg. O Retrato Negro fala muito mais do entendimento da causa negra”, conta. Estudante da PUC, a história começou com a percepção de uma universidade miscigenada: negros de um lado e brancos, de certa forma em posição privilegiada, de outro. “Embora minha pele seja negra, eu nunca tinha me posicionado como tal e problematizado essas questões abertamente, até que passei a questionar minha fotografia.”. Wendy se viu em um mundo onde todos a sua volta eram brancos: amigos, família, relacionamentos amorosos. Pra ele, essa poderia ser uma oportunidade de imergir em sua cultura, se empoderar, enegrecer, como diz.

Ele começou procurando pessoas dentro do seu ciclo. Seja no Facebook, ou amigos de amigos. Hoje, já são 123 pessoas fotografadas e toda uma nova visão de mundo: “sou uma pessoa completamente diferente de quando o projeto começou. Reconheci a mim mesmo, assim como todas as pessoas que fotografo. O olhar também é delas”, conta.

O novo projeto acontecendo chama-se Senso de urgência: “a gente sempre coloca desculpa naquilo que quer fazer.”, conta Wendy. Pensando nisso, junto com um amigo, Leonardo Botelho, irão publicar um vídeo semanalmente vendendo alguma coisa: seja água ou cerveja no carnaval, por exemplo. A ideia é motivar as pessoas e ao mesmo tempo mostrar que existem dificuldades mas nada é impossível. Bem, os dois estabeleceram metas mas só saberemos se foram atingidas ou não em dezembro! (Querem nos matar de curiosidade!)

Seguimos ouvindo, aprendendo, mudando a visão de mundo. Obrigada, Wendy, pela conversa! E se você, leitor, chegou até o final, não deixe de conhecer a fundo todos esses projetos. Recomendamos – e muito! <3

 

Comentários